Sábado, 23 de Outubro de 2021
67 99679-8975
Saúde Saúde

Coronavírus criou mutações em paciente 218 dias infectado

Caso foi relatado por pesquisadores da USP; paciente era homem de cerca de 40 anos que havia passado por tratamento de câncer

23/06/2021 07h55
Por: Redação Fonte: R7 - Karina Toledo, da Agência Fapesp
Coronavírus não estava apenas presente no organismo, mas também se replicando - (Foto: Pixabay)
Coronavírus não estava apenas presente no organismo, mas também se replicando - (Foto: Pixabay)

Um caso de infecção pelo novo coronavírus que durou ao menos 218 dias foi descrito por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e colaboradores em artigo divulgado na plataforma medRxiv, ainda sem revisão por pares.

Trata-se de um paciente do sexo masculino, de aproximadamente 40 anos, que antes de contrair a COVID-19 havia passado por um tratamento agressivo contra o câncer e estava com o sistema imune bastante debilitado. Ele se infectou no início de setembro de 2020 e somente em abril deste ano seus exames negativaram.

“Todas as amostras de secreção nasofaríngea coletadas entre o sexto e o 218o dia após o início dos sintomas tiveram resultado positivo para o SARS-CoV-2 no exame de RT-PCR. E o vírus não estava simplesmente presente no organismo desse paciente, estava também se replicando. Ou seja, durante todo esse período havia risco de transmissão para outras pessoas”, conta Maria Cássia Mendes-Correa, professora da Faculdade de Medicina (FM-USP) e primeira autora do artigo.

A confirmação de que o vírus permanecia infectante no organismo do paciente foi feita por meio de testes in vitro, no âmbito de um projeto apoiado pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Em um laboratório com alto nível de biossegurança, sediado no Instituto de Medicina Tropical (IMT-USP), as amostras de secreção nasofaríngea e de saliva coletadas semanalmente foram incubadas com linhagens celulares suscetíveis ao SARS-CoV-2. Nas horas seguintes, era possível observar um aumento da carga viral nas culturas, bem como a morte das células em decorrência da ação do patógeno. “Essa capacidade replicativa do vírus foi observada de forma contínua e persistente durante um período de 196 dias consecutivos”, relata a pesquisadora.

O grupo também coletou semanalmente, entre janeiro e abril de 2021, amostras de sangue, urina e de esfregaço anal. As análises indicaram a persistência de vírus nessas secreções em boa parte do período estudado.

Exames sorológicos revelaram ainda que em nenhum momento o paciente desenvolveu anticorpos contra o SARS-CoV-2 – nem aqueles detectados por testes comuns, como IgG e IgA, nem os do tipo neutralizante, que de fato conseguem barrar a entrada do patógeno nas células e só são identificados por meio de ensaios celulares sofisticados.

Vírus em evolução

Amostras de secreção nasofaríngea coletadas nos dias seis, 77, 134, 169 e 196 após o início dos sintomas foram submetidas ao sequenciamento completo do genoma viral. Os resultados revelam que o SARS-CoV-2, ao se replicar por tanto tempo no organismo, sofreu diversas mutações, algumas delas na proteína spike, usada pelo vírus para entrar na célula humana.

“Esses dados sugerem ter ocorrido dentro de um mesmo hospedeiro o processo evolutivo que normalmente se costuma observar na comunidade. Esse é um fenômeno preocupante, pois favorece o surgimento de variantes virais mais bem adaptadas ao organismo humano”, comenta Mendes-Correa.

A cepa detectada originalmente foi a B1.1.28, que predominou no Brasil durante o ano de 2020. Segundo a pesquisadora, no caso estudado não é possível saber se a evolução viral resultou em uma variante de preocupação, pois foram tomados todos os cuidados possíveis para impedir a transmissão do patógeno para outros indivíduos.

“Esse paciente permaneceu boa parte do tempo internado e nos curtos períodos em que ficou em casa também permaneceu isolado”, conta.

De acordo com Mendes-Correa, casos como esse são bastante raros, mas precisam ser acompanhados com atenção pelos profissionais de saúde. “Médicos que tratam pacientes com câncer ou com doenças autoimunes, por exemplo, precisam estar atentos. Devem monitorar de perto os casos de COVID-19 nessa população, até para evitar a transmissão do vírus para outros pacientes imunodeprimidos ou mesmo para a equipe de saúde”, afirma.

Em novembro de 2020, foi descrito no New England Journal of Medicine o caso de um portador de doença hematológica autoimune – também do sexo masculino e na faixa dos 40 anos – que albergou o vírus replicante em seu organismo durante 143 dias. “Até a publicação do nosso trabalho, que eu saiba, esse era o caso de persistência viral mais longa documentado”, diz Correa-Mendes.

O artigo SARS-CoV-2 shedding, infectivity and evolution in an immunocompromised adult patient pode ser lido em www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.06.11.21257717v1.full.pdf.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.