Sexta, 20 de Maio de 2022
67 99679-8975
Agricultura São Paulo

SIMA garante segurança alimentar para mais de 200 famílias tradicionais

A produção excedente de 242 plantações foi destinada para doações e também comercializada na região, estimulando a economia local

12/05/2022 17h40
Por: Redação Fonte: Secom Estado de São Paulo
Foto: Reprodução/Secom Estado de São Paulo
Foto: Reprodução/Secom Estado de São Paulo

Durante a pandemia ocasionada pela COVID-19, o Governo de São Paulo, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), desburocratizou o processo de autorização para o cultivo de Roças de Coivara, uma técnica para preparo da terra utilizada por comunidades tradicionais como quilombolas, caiçaras, ribeirinhas e indígenas, com o objetivo de contribuir para a segurança alimentar.

A medida, que completou dois anos em abril deste ano, beneficiou cerca de 208 famílias, especialmente em uma das regiões mais carente de São Paulo, o Vale do Ribeira, com a implantação de 242 roças de arroz, feijão, milho, mandioca, batatas e outras culturas de subsistência. Ainda no sul do estado, o excedente foi doado a outras famílias em situação de insegurança alimentar, chegando inclusive para comunidades na capital paulista, por meio da ação de uma cooperativa local.

Todo o processo é monitorado por técnicos da Coordenadoria de Fiscalização e Biodiversidade da SIMA, responsável por verificar o cumprimento da legislação vigente. As roças de povos e comunidades tradicionais precisam estar localizadas fora de Unidades de Conservação de posse e domínio público, com exceção das Áreas de Proteção Ambiental (APA), onde são permitidas, possuir até 1 hectare, manter uma distância mínima de 100 metros entre as roças e usar no máximo 20% da vegetação nativa existente na área de uso da comunidade. Esses são alguns critérios que precisam ser cumpridos para a autorização do cultivo.

“O enorme êxito da simplificação para as autorizações fez nosso grupo de trabalho colocar em discussão a possibilidade de tornar a resolução emergencial em permanente, tendo em vista também a nossa percepção do grande respeito aos critérios estabelecidos pela Resolução SIMA 28/2020 por parte dos produtores, além da relevante economia processual alcançada pelos órgãos do Estado, envolvidos no processo autorizatório das roças tradicionais“, comentou Ricardo Borgianni, analista ambiental da CFB.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.